fbpx
Fisioterapia - carreira e profissao 2

Fisioterapia

Carreira e profissão

Entrevista com Ângela Feitosa, Fisioterapeuta especialista em Terapia Intensiva e Acupuntura
Leia também...

Fisioterapia

Entrevista com Fernanda Alves de Camargo

Formada em Fisioterapia na PUC-PR, Especialista em Psicomotricidade, Psicopedagoga e Educadora Brinquedista.
Instagram @fisiofer

 

Por que você escolheu a carreira em Fisioterapia?

Quando eu tinha 15 anos, estava treinando. Eu fazia GRD – Ginástica Rítmica Desportiva – e durante um dos movimentos fiz uma luxação de joelho. Fiquei algumas semanas engessada e depois fiz inúmeras sessões de Fisioterapia. Foi assim que conheci a profissão, que antes nem sabia que existia. Como a lesão foi séria e não pude mais voltar ao esporte, decidi que seria Fisioterapeuta, mas na área de esporte e reabilitação de atletas, já que praticamente fui uma. Só que, logo depois de formada, iniciei um caminho bem diferente, a reabilitação de crianças com deficiência.

 

O que faz um Fisioterapeuta?

O Fisioterapeuta é o profissional que atua com a habilitação e reabilitação das capacidades funcionais do indivíduo. Trabalhamos com prevenção e tratamento de alguma incapacidade e cada área de atuação, trabalha com alguma área específica.

 

Que tipo de trabalho você faz?

Eu trabalho em um Programa de Estimulação Precoce. As crianças que apresentam algum risco estabelecido de desenvolvimento, como a prematuridade, por exemplo, ou que já foram diagnosticadas com algum tipo de síndrome (Síndrome de Down é a mais comum) são encaminhadas para esse tipo de serviço. O atendimento de Fisioterapia tem como principal objetivo acompanhar, estimular e potencializar o desenvolvimento neuropsicomotor das crianças, promovendo as aquisições dos marcos motores sempre que possível. A família é um braço essencial do processo terapêutico e precisa estar junta, participando ativamente, sendo responsável também pelas decisões da equipe terapêutica.

 

Como é seu dia a dia profissional típico como Fisioterapeuta?

O Programa de Estimulação Precoce no qual atuo funciona dentro de uma escola de Educação Especial. São atendidas 6 crianças em cada turno (manhã e tarde). No dia do atendimento, a criança realiza 3 terapias: Fisioterapia, Fonoterapia e Psicologia. Nós chamamos esses atendimentos de individual compartilhado, uma vez que cada profissional fica com uma criança durante 30 minutos, porém o espaço é compartilhado pela equipe. Muitas vezes, realizamos atendimentos interdisciplinares, ou seja, 2 ou mais profissionais atuando juntos, com objetivos comuns. Um bom exemplo disso é quando realizamos circuitos psicomotores, onde combinamos atividades motoras, sensoriais, cognitivas e de linguagem. Nesse caso, Fisioterapeuta, Fonoaudióloga e Psicóloga trabalham juntas, propondo desafios específicos para cada grupo de crianças.

 

Que tipo de ferramentas, recursos, ideias e metodologias um Fisioterapeuta utiliza?

São diversas as abordagens utilizadas na prática fisioterapêutica. Na área de neuropediatria, o Conceito Neuroevolutivo Bobath é um dos mais usados. Ele utiliza técnicas de manuseios que facilitam e estimulam o movimento normal, inibindo padrões anormais.

O método Pediasuit também é muito utilizado, porém em crianças um pouco maiores, geralmente por volta dos 3 anos. Consiste na utilização de um macacão terapêutico que promove realinhamento corporal e propriocepção, combinado com outros recursos como a gaiola.

A propriocepção é um dos nossos 7 sentidos, assim como visão, audição, tato, paladar e olfato. Com os avanços da Neurociência, percebeu-se que o sistema vestibular, responsável pelo nosso equilíbrio também pode ser considerado como um sentido, assim como a propriocepção que é a capacidade que temos de saber qual parte do nosso corpo está se movimentando ou em que posição estamos, quando parados. Isso acontece porque temos receptores em nossas articulações, músculos e tendões que enviam informações para o cérebro.

A bandagem elástica ou kinesiotape, uma fita adesiva sem medicamento, é um recurso que ganhou visibilidade na área esportiva, nas Olímpiadas de Londres. Logo se percebeu sua eficácia nas demais áreas, como estimulação sensorial, estabilização articular, diminuição da espasticidade, entre outras.

A espasticidade é um aumento anormal do tônus muscular, que geralmente acontece após alguma lesão cerebral, como acontece nos AVC´S OU Paralisia Cerebral. O indivíduo com espasticidade apresenta alterações na sua mobilidade, como andar, comer, falar, etc.

 

Como está o mercado de trabalho em Fisioterapia?

O mercado é bem diversificado e acredito que está em crescimento, principalmente com novas áreas de atuação como a reabilitação visual, uma nova vertente para os Fisioterapeutas. Principalmente nas grandes cidades, onde a concorrência é maior, para conseguir destaque é preciso qualificação. Quanto mais especializado, mais oportunidades esse profissional terá.

 

Quais seriam as principais áreas de atuação dessa profissão e o que fazem?

As principais áreas de atuação do Fisioterapeuta são:

Traumato-ortopedia – traumas, lesões e alterações ósseas, musculares, tendinosas e ligamentares.

Neurofuncional – alterações, doenças e sequelas de caráter neurológico.

Cardiovascular – pacientes com doenças cardíacas e vasculares, reabilitação, condicionamento cardiorrespiratório e muscular.

Respiratória – melhora da função respiratória, higiene brônquica, seja em ambiente hospitalar, clínico ou domiciliar.

Também são especialidades da Fisioterapia a Dermatofuncional, Esportiva, do Trabalho, Terapia Intensiva, Acupuntura, Quiropraxia, Osteopatia, Aquática, Saúde da Mulher e do Idoso.

 

Quanto ganha aproximadamente um profissional de Fisioterapia?

A carga horária definida por lei para os fisioterapeutas é de 30 horas semanais. O piso salarial gira em torno de R$ 2.000,00. Dependendo da especialidade e dos locais de trabalho, os salários são mais atrativos. Porém, a grande maioria dos profissionais precisa de uma jornada exaustiva, complementada com atendimentos particulares para que se consiga uma renda mensal compatível com todo o investimento que a profissão exige. Os cursos na área geralmente são muito caros. Financeiramente, a carreira deixa a desejar.

 

Quais as principais vantagens dessa profissão?

Minha maior alegria é ver meus pacientes conquistando independência e autonomia, muitas vezes superando muitas dificuldades em tão pouco tempo de vida. Ver uma criança dar o primeiro passo, quando o desenvolvimento é típico já é maravilhoso. Porém, quando o desenvolvimento é atípico, cheio de intercorrências, a sensação é indescritível. Acho que a maior vantagem de ser Fisioterapeuta é que temos a capacidade de resgatar sonhos. Recebo muitas famílias destruídas pelo diagnóstico de deficiência do filho, achando que é uma verdadeira sentença de morte. E quando a criança começa a se desenvolver, a família percebe que pode sonhar novamente, traçar planos para aquele ser desejado.

O mesmo acontece com uma pessoa que sofre um AVC, um trauma raquimedular, uma amputação, ou até mesmo uma lesão esportiva. Quem não conhece a história do Ronaldo, jogador de futebol, que sofreu uma lesão seríssima no joelho, por duas vezes? Ele foi praticamente aposentado pelos jornalistas que diziam ser impossível que voltasse a jogar em alto nível. Mas, depois de meses de tratamento retornou aos gramados, jogando muito bem e garantindo uma Copa do Mundo para o Brasil, em 2002.

 

E quais as maiores dificuldades e desafios?

Pra mim, a estabilidade financeira é um dos maiores desafios. Muitos profissionais são autônomos e várias instituições preferem esse profissional, já que os encargos trabalhistas são muito grandes.

 

O que se estuda na faculdade de Fisioterapia?

No primeiro ano, as matérias são mais generalistas, como Histologia, Bioquímica, Biologia. É no primeiro ano também que temos a disciplina de Anatomia, fundamental para os fisioterapeutas. Conhecer o corpo humano e todo o seu funcionamento é essencial, em qualquer área e tempo de atuação. No 2º ano em diante, começam as disciplinas mais específicas como Eletroterapia, Cinesiologia (disciplina que estuda e analisa os movimentos, estruturas articulares e a contração muscular), Fisiologia, Recursos Terapêuticos Manuais (técnicas onde o fisioterapeuta utiliza as próprias mãos e seu corpo para mobilizações teciduais, promover o relaxamento do paciente, entre outros objetivos), Fisioterapia Respiratória, Pediátrica, Cardiovascular, Neurológica. Temos também Ética e Deontologia (deveres do fisioterapeuta, de acordo com o Código de Ética da profissão), Saúde do Idoso, Desportiva, entre outras.

Vale ressaltar que o curso de Fisioterapia é presencial. Não há autorização no país para graduação dos cursos de saúde na modalidade à distância.

 

Quais matérias do colégio são mais importantes ao se preparar para a carreira em Fisioterapia?

Por mais que seja um curso da área de saúde, a Física, com o conhecimento sobre alavancas, e Biologia é fundamental. Língua Portuguesa também é muito importante, uma vez que precisamos elaborar relatórios sobre os pacientes, assinar evoluções, prescrever exercícios.

 

Há outras aprendizagens e experiências que não são oferecidas pela escola, mas são importantes ao longo da carreira?

Respeito ao próximo, empatia, saber empreender.

 

É necessário o conhecimento de outro idioma para atuação como Fisioterapeuta?

Diferentemente de outras carreiras, ter o domínio de uma língua estrangeira não é essencial para a aquisição de uma vaga de trabalho. Porém, há muitos artigos científicos, materiais e cursos, principalmente em inglês e até espanhol.

 

Como deve ser a personalidade e quais devem ser os interesses, desejos e valores de alguém que segue essa profissão?

O fisioterapeuta lida com pessoas constantemente. É preciso muita sensibilidade. Muitos pacientes chegam fragilizados aos nossos atendimentos e tudo o que eles mais querem é alguém que possa ouvi-los, acolhê-los de alguma forma. Um profissional que estabelece uma relação com seus pacientes baseada na empatia e respeito certamente se destacará no mercado.

 

Existem filmes que exemplifiquem sua área profissional?

Intocáveis é um filme que não aborda a Fisioterapia especificamente, mas fala muito da relação entre paciente e cuidador, é lindíssimo.

Amy – uma vida pelas crianças. Conta a história de uma professora que largou tudo para trabalhar em uma escola de crianças com deficiência. Ali, ela aprendeu o verdadeiro sentido do amor.

Meu pé esquerdo – filme sobre Christy Brown, que nasceu com Paralisia Cerebral. Mesmo com muitas limitações motoras, Chirsty tornou-se escritor e pintor, utilizando apenas o pé esquerdo.

 

Quem seriam profissionais de amplo reconhecimento ou figuras históricas de sua área?

Berta Bobath – fisioterapeuta alemã que desenvolveu junto com seu marido, o médico psiquiatra Karel, o conceito Neuroevolutivo Bobath, um conjunto de técnicas utilizadas com crianças e adultos com alterações no desenvolvimento ou lesões neurológicas.

Nilton Pretoni e Bruno Mazziotti são fisioterapeutas que trabalharam diretamente com o jogador Ronaldo Fenômeno, sendo responsáveis diretos pela sua recuperação, em momentos diferentes.

 

Por fim, que dicas de carreira e de vida em geral você gostaria de oferecer para um jovem que está escolhendo Fisioterapia nesse momento?

Fisioterapia é sinônimo de amor. É preciso muito amor por essa profissão, que poucas vezes é reconhecida da maneira que ela merece. O fisioterapeuta recém formado encontra um mercado de trabalho extremamente competitivo. Especializar-se e aprimorar-se são necessidades constantes. Porém, não basta tudo isso para ser um bom profissional. É preciso empatia, carisma, respeito e, principalmente, enxergar o paciente com alguém único, especial, com potencialidades e não dificuldades.

 

Como alguém pode fazer para saber mais sobre Fisioterapia?

Na internet, existem muitos materiais de divulgação da profissão e o no Youtube há diversos vídeos e canais voltados para estudantes de Fisioterapia.

Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional – COFFITO

Sites sobre Fisioterapia

http://fisioworkrs.com.br/blog/

https://www.revistas.usp.br/fpusp

Vídeo: O que é ser fisioterapeuta

 

>